Esquecimento: problema de memória ou falta de atenção?



Existe uma grande diferença entre ser esquecido por causa de um problema de memória ou por causa da falta de atenção. Veja qual é o seu caso.

No mundo moderno, muitas pessoas reclamam de estar com falta de memória, no sentido de esquecer do que estavam fazendo no momento presente, esquecer o celular no trabalho, esquecer para onde estavam indo. Não quer dizer que estejam doentes, talvez estejam só desatentas.

A razão do esquecimento por falta de atenção é o excesso de compromissos que temos e as inúmeras atividades que fazemos ao mesmo tempo: estamos em uma reunião, de olho no celular, pensando em buscar o filho na escola e no que vamos fazer para o jantar.

Além disso, o uso constante da internet para buscar respostas mais rápidas para tudo faz com que deixemos de exercitar a memória, então, os lapsos tendem a aparecer.

A diferença entre falta de atenção e problema de memória

É comum que a falta de atenção faça com que esqueçamos de algumas das coisas que precisamos fazer ou até do que já fizemos no dia anterior, por causa da exaustão mental. Esse esquecimento pode acontecer com pessoas de qualquer idade, que tenham uma vida muito ativa ou que não exercitem a memória diariamente.

No caso de um problema de memória real, ele só pode ser considerado depois que for diagnosticado por um especialista. Nesta situação, o esquecimento acontece de forma diferente: a pessoa tende a não lembrar de fatos dos dias anteriores ou até de meses passados, endereço, nomes, datas e afins.


Doenças e disfunções que podem afetar a memória

A doença mais comum que afeta a memória está relacionadas à idade avançada, como o Alzheimer, que é uma doença degenerativa e pode levar à demência. Portanto, é importante ficar atento ao esquecimento frequente em pessoas acima de 60 anos.

Quando não estão relacionadas à idade avançada, as doenças que também podem levar ao esquecimento momentâneo são ansiedade, depressão, problemas de sono, pois todos eles fazem a pessoa entrar em um estado automático e, quando percebe, fez várias atividades sem prestar atenção, por isso, não se lembra do que fez.

O uso de medicamentos controlados também pode afetar a memória, pois reduz a concentração, de acordo com Márcio Balthazar, pesquisador do Departamento de Neurologia da Unicamp. Ele cita ainda que o hipotireoidismo, a anemia crônica, a falta de vitamina B12 e a menopausa também são fatores de risco.

Quando procurar um médico?

Se você toma alguma medicação controlada, não se alimenta com a qualidade recomendada ou tem problemas para dormir é interessante consultar um médico caso esteja tendo lapsos de memória muito frequentes.

No caso de apenas ter uma rotina muito agitada e não costumar ler um livro diariamente ou tentar lembrar dos compromissos sem precisar de agenda, pode tentar fazer exercícios de memória.

DICAS PARA TREINAR A MEMÓRIA

Assim como os músculos que você trabalha na academia, a memória precisa ser constantemente exercitada para se manter saudável e em pleno funcionamento.